Dia Mundial da Higienização das Mãos- 5 de Maio

O dia 05 de maio foi instituído pela Organização Mundial da Saúde, OMS, desde 2007, como do Dia Mundial da Higienização das Mãos, mesmo sendo um tema secular, para que todos tenham consciência de sua importância. No mundo moderno, em que há aglomeração de milhares de pessoas e compartilhamento do mesmo ambiente, a importância da higienização das mãos ganha especial importância.

Quando a COVID-19 ganhou o mundo no início de 2020 e foi declarada pandemia pela OMS, muito se tem falado e ouvido sobre o tripé: máscara, isolamento social e higienização das mãos. A terceira medida ganhou mais visibilidade e sua importância tem sido ratificada pela mídia, passando a fazer parte do cotidiano de todos nós.

Há séculos se sabe que a higienização das mãos é ato fundamental na prevenção de contaminação. Apesar de tudo, este ato simples ainda é negligenciado por muitos. O fato de ser tão óbvio provavelmente seja causa de tantos descuidados que acabam por afetar mucosas da boca, dos olhos e entrada das vias respiratórias e tornar-se um grande desafio de Saúde Pública.  

Higienizar as mãos é um processo. Basicamente é uma ação de fricção das mãos, com preparação alcoólica ou substância emulsificante como sabão, sabonete ou detergente, que deve considerar a qualidade da preparação alcoólica, quantidade utilizada, tempo de fricção ou lavagem e a superfície da mão friccionada ou lavada. Essas ações dão mais resultado quando a pele das mãos está livre de lesões ou cortes, as unhas estão no tamanho natural, curtas e sem esmalte, e as mãos e antebraços sem joias e descobertos.

Deve-se lavar as mãos rotineiramente, mas especialmente antes e/ou depois de comer, beber ou manusear alimentos e bebidas, utilizar instalações sanitárias, assoar nariz, tossir, espirrar, coçar o olho, trocar lentes de contato, trocar máscaras, tocar animais, manusear seus excrementos, manusear resíduos ou lixos, ter contato com transportes e utensílios públicos, contato (toque ou visita) com pessoas doentes, feridas, cortes, arranhões, queimaduras.

Nos ambientes de saúde – consultórios, clínicas, ambulatórios, postos de saúde, laboratórios e hospitais – onde o risco de contaminação se potencializa, há protocolos e técnicas mais rigorosas recomendadas para a higienização propriamente dita e cuidados sistêmicos para a manutenção da cadeia de proteção. 

“A higienização das mãos é considerada a ação isolada mais importante para a prevenção e o controle das infecções em serviços de saúde. O simples ato de lavar as mãos com água e sabonete líquido, quando realizado com técnica correta, pode reduzir a população microbiana das mãos e interromper a cadeia de transmissão de infecção entre pacientes e profissionais da área da saúde.”. (Serviços Odontológicos: Prevenção e Controle de Riscos – Manual_Odonto.PDF – Anvisa – 2006)

Para lavagem das mãos, aplicar antissépticos e fazer sua antissepsia cirúrgica, o Manual Anvisa recomenda:

  • Manter o corpo afastado da pia.
  • Abrir a torneira e molhar as mãos sem tocar na superfície da pia.
  • Aplicar a quantidade de produto recomendada pelo fabricante (3 a 5 ml, em geral), suficiente para cobrir toda a superfície das mãos.
  • Ensaboar as mãos, friccionando uma na outra por aproximadamente 15 segundos, com o objetivo de atingir toda a superfície.
  • Friccionar, com especial atenção, os espaços interdigitais, as unhas e as pontas dos dedos.
  • Enxaguar as mãos em água corrente, retirando totalmente o resíduo do sabonete, sem tocar na superfície da pia ou na torneira.
  • Enxugar as mãos com papel-toalha descartável (não utilizar toalhas de uso múltiplo).

Para aplicar antissépticos à base de álcool, que dispensem enxágue:

  • Aplicar a quantidade de produto recomendada pelo fabricante (3 a 5 ml, em geral), suficiente para cobrir toda a superfície das mãos.
  • Friccionar as mãos uma na outra, com o objetivo de aplicar o produto em toda a superfície.
  • Friccionar, com especial atenção, os espaços interdigitais, as unhas e as pontas dos dedos.
  • Friccionar o produto até que seque completamente (não usar papel-toalha).

Para fazer a antissepsia cirúrgica das mãos:

  • Aplicar produto antimicrobiano em quantidade recomendada pelo fabricante, suficiente para cobrir toda a superfície das mãos e antebraço.
  • Limpar as unhas, friccionando-as contra a palma da mão ou escova macia.
  • Utilizar escova macia para friccionar a pele (opcional).
  • Efetuar movimentos de fricção iniciando pela extremidade dos dedos, continuando pelos espaços interdigitais, faces das mãos, punhos e antebraços, dispendendo de dois a seis minutos.
  • Enxaguar as mãos em água corrente, deixando escorrer das pontas dos dedos para o antebraço, até eliminar completamente o produto.
  • Secar as mãos com compressa estéril, com movimentos compressivos, partindo das pontas dos dedos e seguindo pelas mãos até chegar ao cotovelo.

 

Espera-se que todos nós tenhamos aprendido a lição com o surgimento da pandemia do Novo Coronavírus e nos tornado mais conscientes da importância do hábito de higienizar as mãos em nosso cotidiano, depois do massivo trabalho da mídia. Nos ambientes de tratamento da saúde, espera-se mais: que ações biosseguras mais efetivas e o indispensável hábito de higienizar as mãos tecnicamente correto, mais que hábito, faça parte da cultura dos profissionais de saúde. 

Woson

Biossegurança responsável

O cliente com a palavra

  • Depoimento - Waldomiro Peixoto
    Waldomiro Peixoto
    Consultor Técnico Woson