Dia Mundial do Diabetes - 14 DE NOVEMBRO

Ter boa saúde é direito de cada um e cuidar dela é dever de todos. Por conta disso devemos estar atentos a um dos males que mais afeta a sociedade contemporânea: o alto índice de diabéticos. ­­É um problema individual e coletivo, um imenso desafio de Saúde Pública. A Woson apoia essa campanha!

Os números são grandes e o enfrentamento do problema assusta quando tomamos consciência deles. Dos quase 8 bilhões de pessoas no mundo, em torno de 470 milhões da população sofrem com diabetes diagnosticada. No Brasil, cerca de 16 milhões, algo próximo de 8% de nossa população de 210 milhões, sofrem do mesmo mal.

Para ajudar na tomada de consciência instituiu-se a IDF - Federação Internacional de Diabetes – e, através da OMS - Organização Mundial da Saúde – o Dia Mundial do Diabetes em 14 de novembro.

Transcrevemos este trecho do IDF para dimensionarmos o desafio que vem pela frente: “Em 2000, a estimativa global de adultos com diabetes era de 151 milhões. Em 2009, havia crescido 88% para 285 milhões. Hoje, calculamos que 9,3% dos adultos de 20 a 79 anos - assombrosos 463 milhões de pessoas - vivem com diabetes. Outros 1,1 milhão de crianças e adolescentes com menos de 20 anos vivem com diabetes tipo 1. Há uma década, em 2010, a projeção global para diabetes em 2025 era de 438 milhões. Com mais cinco anos pela frente, essa previsão já foi superada em 25 milhões.” (Dados atualizados em 2020).

   O que é o diabetes?                      

É uma doença crônica no corpo que não produz insulina ou não consegue empregar adequadamente a insulina que produz. A insulina é o hormônio que controla a quantidade de glicose no sangue, obtido por meio dos alimentos, sua fonte de energia. Com o diabetes, o organismo não fabrica insulina e não consegue utilizar a glicose adequadamente, o nível desta fica alto no sangue e surge a chamada hiperglicemia. Hiperglicemia por longos períodos pode resultar em danos nos órgãos, vasos sanguíneos e nervos.

Acompanhamento e a orientação especializados são essenciais para o paciente se sentir seguro, apoiado e acolhido para lidar com as diferenças do diabetes, como a do tipo 1 em que o sistema imunológico do corpo ataca e destrói as células que produzem insulina, ou como a do tipo 2 em que o corpo não produz insulina suficiente ou as células do corpo não reagem à insulina.

De forma bem didática, os sintomas do diabetes tipo 1 são vontade de urinar diversas vezes; fome frequente; sede constante; perda de peso; fraqueza; fadiga; nervosismo; mudanças de humor; náusea e vômito. E os do tipo 2 são infecções frequentes; alteração visual (visão embaçada); dificuldade na cicatrização de feridas; formigamento nos pés e furúnculos.

Existe ainda o diabetes gestacional, quando, durante a gravidez, a mulher passa por mudanças em seu equilíbrio hormonal e a doença pode se manifestar. Outros tipos de diabetes existem decorrentes de defeitos genéticos associados com outras doenças ou com o uso de medicamentos, a saber: defeitos genéticos da função da célula beta, defeitos genéticos na ação da insulina, doenças do pâncreas exócrino (pancreatite, neoplasia, hemocromatose, fibrose cística, etc.), ou ainda diabetes  induzidos por drogas ou produtos químicos (diuréticos, corticoides, betabloqueadores, contraceptivos, etc.).

Entre as principais causas do diabetes, atualmente, e que tem favorecido o surgimento da doença, é o aumento do consumo de gorduras e carboidratos ou comida de qualidade ruim (má alimentação) e consequentemente a obesidade, tudo isso potencializado pela falta de atividades físicas, ou sedentarismo, que têm causas complexas na sociedade contemporânea. Há farta informação a respeito deste tema à disposição de todos.

De acordo com o Guia Alimentar para a população brasileira, “a alimentação de toda a população, com ou sem diabetes, deve ser baseada em alimentos in natura (frutas, verduras, legumes e carnes) e produtos minimamente processados (arroz, feijão), limitando o consumo de alimentos processados (geleia, atum enlatado, queijo) e evitando alimentos ultra processados (sorvetes, barra de cereal, macarrão instantâneo). Todas as pessoas, inclusive aquelas com diabetes, devem procurar fazer suas refeições em horários semelhantes todos os dias. Recomenda-se realizar 5 a 6 refeições diárias, evitando “beliscar” alimentos entre as refeições e permanecer longos períodos sem se alimentar. Além disso, orienta-se comer devagar e sempre que possível, em companhia, com familiares, amigos ou colegas de trabalho ou escola.”

O recomendável, para quem sofre com diabetes, é o consumo de verduras (alface, almeirão, couve etc.), legumes (cenoura, pepino, tomate, abobrinha etc.) e frutas, preferencialmente crus, por possuírem maiores quantidades de fibras.  As frutas devem ser consumidas em quantidades adequadas e distribuídas corretamente ao longo do dia. Não existe contra indicação no consumo corretamente orientado de qualquer espécie de fruta.

Com informação correta, educação adequada, tomada de consciência de todos e políticas públicas com base científicas voltadas para este fim, há como combater este mal que reduz a níveis inaceitáveis a qualidade de vida de tantos!

A Woson, uma empresa que pesquisa, desenvolve, produz e distribui produtos para a Saúde, sente-se socialmente responsável pela divulgação de informações de qualidade que contribuam com a educação da população e ajudem a trazer para todos qualidade de vida. Não podemos baixar a guarda, a luta continua! O compromisso é de todos!

Dia Mundial e Nacional do Combate ao Diabetes, a Woson apoia esta campanha! 

Woson

Nós praticamos saúde!

Escrito por:

  • Depoimento - Waldomiro Peixoto
    Waldomiro Peixoto
    Consultor Técnico Woson