Armazenamento de materiais esterilizados

Nossos últimos conteúdos foram relacionados ao armazenamento correto de materiais esterilizados. Temos fornecido dicas para as fases do Protocolo de Esterilização. Podem ser consultadas no blog do site www.wosonlatam.com.br. Encerra-se, assim, a série com considerações sobre armazenamento de materiais esterilizados.

Ressalta-se que “não adianta equipamentos de última geração, se o material a autoclavar não estiver rigorosa e absolutamente limpo e protegido durante a esterilização e a manipulação antes e depois de esterilizado”. Material com sujidade não é material esterilizável; e o rompimento de pacotes durante a esterilização e/ou manipulação põe a perder a cadeia de proteção de instrumental, paciente e usuário.

Sabe-se que autoclaves comuns, da categoria das gravitacionais com vapor saturado resultado de resistência imersa em água dentro da câmara de inox, é eficiente apenas com cargas sólidas embaladas e desembaladas. Já cargas de materiais ocos, canulados, tubos, turbinas de alta rotação, engrenagens de contra ângulos e peças retas, campos, tecidos, porosos e articulados, que ofereçam maior grau de dificuldade para penetração do vapor, só se esterilizam em autoclave da categoria das pré-vácuo.

Como identificar uma autoclave pré-vácuo?

Esta não utiliza vapor saturado, mas, sim, vapor injetado na câmara de inox pré-aquecida e com pressão negativa obtida por bomba de vácuo, antes de entrar na fase de esterilização (daí o termo ‘pré-vácuo’). A injeção favorece a penetração do vapor nos pontos de difícil acesso das cargas. Utilizam o vácuo, depois da esterilização, também para secagem absoluta dos pacotes com porta fechada. “O fundamental no uso destes equipamentos é, em primeiro lugar, preparar limpando corretamente o material a ser empacotado. E selecionar o ciclo correto a ser usado na esterilização. Salientamos que até ciclo para esterilizar príons*, as autoclaves pré-vácuo possuem.” (Dr. Sérgio Narciso Marques de Lima)

Dicas finais

  1. os pacotes devem ser manipulados completamente secos, principalmente se destinados a armazenamento para posterior utilização.
  2. o conteúdo dos pacotes deve ser da mesma natureza.
  3. datar e identificar os pacotes para melhor gestão.
  4. armazenar em local seco e fresco, protegido contra umidade.
  5. colocar pedra cânfora ou similar para inibir entrada de insetos roedores do papel ressecado.
  6. Lembrar que “pacotes com umidade residual não está protegido contra recontaminação”.
  7. consultar o blog da Woson onde há dicas complementares de Biossegurança Woson.

*Creutzfeld-Jacob cunhou o termo ‘prion’, anagrama de ‘proteinaceous infection’. O Teste Príon é um indicador biológico que acondiciona numa fita proteínas responsáveis pela doença de Creutzfeld-Jacob (mal da vaca louca). As autoclaves pré-vácuo da Woson possuem o Programa Príon que oferece parâmetros de esterilização absoluta para toda forma de microrganismo.