Planejamento Financeiro Odontológico: escrevendo a história financeira da sua clínica ou consultório

Olá! Hoje vamos falar sobre a importância de um bom planejamento financeiro Odontológico. Terá como objetivo produzir:

  • Tranquilidade financeira a longo prazo;
  • Melhor qualidade de vida;
  • Liberdade para usufruir dos resultados.

Independentemente do momento que você está vivendo, ainda dá tempo de acertar. Como fazer? Nossa experiência nos levou a criar um modelo simples para ajustar suas finanças. Esse modelo tem três ações básicas:

  1. Separar as contas da clínica das contas pessoais é o primeiro passo;
  2. Adquirir a cultura do lucro. Partindo do ponto de vista de que qualquer atividade econômica deve gerar lucro para sobreviver, temos a convicção de que o consultório deve conquistá-lo;
  3. Administrar o lucro. Atingimos o lucro almejado; agora, o ponto principal é: como administrá-lo?

Nosso propósito principal de hoje será uma reflexão exatamente sobre esses temas.

É muito comum ouvirmos de nossos clientes a seguinte pergunta: “Como saber se minha clínica está dando lucro adequado?”

Para responder a essa questão, é preciso analisar a média do setor odontológico, pois há clínicas que ainda estão iniciando suas atividades e, provavelmente, ainda levarão um tempo para amadurecer e obter uma lucratividade adequada. As clínicas que estão há mais tempo no mercado, alcançaram um padrão de estabilidade e faturam de acordo com a sua capacidade de atendimento devem ter um lucro apurado pela gestão de entradas e saídas de dinheiro no caixa, de forma estruturada, através de controles por planilhas ou software.

Como saber se o lucro da sua clínica é bom?

Apresento, de forma simples e clara, por meio de uma distribuição percentual de valores, uma boa amostragem da realidade do setor: 

 

Receitas

Recebimentos

100% do faturamento

   

Despesas variáveis (correspondem aos procedimentos executados)

Pagamento da produção do CD (terceiros ou CD dono da clínica)

                35 %

Impostos

                7%

Dentais

                6%

Protéticos

                 5 %

Total em despesas variáveis 

   53%

 

 

Despesas estruturais (são as despesas fixas mensais que acontecem mesmo sem nenhum atendimento)

  • Aluguel
  • Contador
  • Água
  • Energia elétrica
  • Internet
  • Funcionários… enfim, todas as despesas fixas mensais para o bom funcionamento da clínica.

Essas despesas, sebem ajustadas, não devem ultrapassar 27% do faturamento da clínica.Assim, fazendo o cálculo, temos:

  • 100% do faturamento;
  • 53% (despesas variáveis);
  • 27% (despesas estruturais);
  • 20% de lucro.

A média de lucratividade do setor é de 20%.

Pode ser mais? Claro! Vai depender de vários aspectos que podem contribuir, tais como: localidade, concorrência, público-alvo, mix de serviços oferecidos, capacidade administrativa, dentre outros.

Pode ser menos? Sim! Neste caso devemos buscar a melhoria dos pontos críticos de desempenho do negócio até atingirmos o lucro almejado.

O que confirmará esse lucro é a capacidade de gerar receitas suficientes utilizando a capacidade instalada da clínica de forma evolutiva para conseguir bancar as despesas, atingir o ponto de equilíbrio e, posteriormente, o lucro esperado.

Como administrar o lucro?

O lucro do seu negócio pode ser aplicado de diversas maneiras. No entanto, o mais comum no dia a dia é incorporar todo o resultado no labore, gastá-lo e/ou investi-lo de forma agrupada e sem um planejamento. Nossa proposta é uma reflexão de longo prazo.

Longo Prazo?

De maneira geral, nós brasileiros temos uma cultura de pensar apenas no curto prazo e de não planejarmos com olhos para o futuro, em outras palavras, não pensamos em um planejamento de longo prazo. No caso dos dentistas não é diferente. Por isso achamos que vale a pena pensar um pouco a respeito deste tema.

Vamos imaginar o seguinte cenário sobre a vida produtiva de um dentista de forma hipotética: formado, resolve trabalhar para um colega para afinar a prática. Depois de alguns anos, monta seu consultório, trabalha arduamente, conquista clientes e, em alguns anos de trabalho consistente, alcança a plena capacidade de atendimento com agenda cheia. Temos nesse cenário uma clínica lucrativa e um padrão de vida que evolui assim:

  • Carro
  • Casa
  • Casamento
  • Filhos
  • Escola dos filhos
  • Casa maior
  • Empregada doméstica
  • Carros
  • Planos de saúde
  • Faculdade dos filhos
  • Clube
  • Restaurantes
  • Viagens…

Enfim, a vida fica cada vez mais intensa, o que é natural, mais do que justo e necessário. Esta é a mola propulsora da vida e da economia. Mas atenção: todos nós nos adequamos rapidamente às coisas boas da vida! O inverso não é verdadeiro, e, para evitar esse revés, vale a pena pensar e planejar. Veja os caminhos possíveis:

Com Planejamento Adequado:

Você administrou bem o lucro, sobreviveu com a retirada de pró-labore, poupou e investiu sabiamente seu lucro, pensou na sua clínica como um negócio e planejou sua expansão, tratou de criar um negócio que não tenha dependência exclusiva de seu trabalho para sobreviver, investiu adequadamente, aumentou suas fontes de renda (para fazer face ao aumento de suas despesas pessoais) e terá disponibilidade de renda líquida suficiente para bancar seu estilo de vida – e claro, se aposentar com tranquilidade.

Neste caso, para um planejamento adequado e aplicação do lucro de forma inteligente, é importante ter o conhecimento dos 2 tipos de renda:

A – RENDA ATIVA: FRUTO DO SEU TRABALHO

  • Empregado: renda depende do trabalho
  • Autônomo: renda depende da prestação de serviço – típico caso de dentista e demais profissionais liberais.

B – RENDA PASSIVA: FRUTO DO TRABALHO DE OUTRAS PESSOAS

  • Dono de um negócio (Empresário) – Construir um negócio que não dependa exclusivamente de seu trabalho.
  • Investidor – Possuir investimentos é a possibilidade de garantir uma renda que não depende do trabalho. É fruto de rendimentos tais como: aluguel, aplicações financeiras, etc.

Um Planejamento perfeito prevê a aplicação de boa parte do lucro na construção de Renda Passiva, seja na expansão do consultório em uma ou mais clínicas ou na aplicação correta em ativos financeiros rentáveis, tais como: imóveis para aluguel, aplicações em renda variável com pagamento de dividendos, fundos imobiliários, entre outros.

Sem Planejamento Adequado:

Seu negócio está indo bem, entretanto a capacidade máxima produtiva será de um excelente dentista sentado no mocho. Sua renda lhe permite um bom padrão de vida! Mas sem poupar e sem investimentos que lhe permitam formar um patrimônio e rendas adicionais, pode ser que a curva de gastos ultrapasse seus ganhos e teremos um ponto de inflexão.

Nesse caso, a única alternativa é a dura redução de despesas e do padrão de vida. Planejar a longo prazo pode evitar esse momento, logo, pense ao longe, estabeleça metas. “Para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve”. Parece óbvio, porém, respeitando a realidade e as condições múltiplas de cada caso, a reflexão de longo prazo pode ajudar a evitar um descompasso.

Seja proativo, melhore sua performance, administre sua carreira como um negócio, gere resultados positivos, reinvista bem esses resultados, planeje o futuro, tenha sucesso!

Bons negócios a todos!

https://alteramkt.com.br/

 

Mario Tonzar Junior

  • Depoimento - Mario Tonzar Junior
    Mario Tonzar Junior
    Consultor Financeiro e Gestão, Diretor Financeiro e Sócio do Altera Marketing em Saúde